OMS: 172 países e múltiplas vacinas candidatas estão envolvidos em mecanismo de acesso global à vacina para COVID-19

Genebra, 24 de agosto de 2020 - Neste momento, 172 economias envolvidas em discussões para potencialmente participar do COVAX, uma iniciativa global que tem o objetivo de trabalhar com fabricantes de vacinas para fornecer aos países em todo o mundo o acesso equitativo a vacinas seguras e eficazes assim que licenciadas e aprovadas. 

O COVAX, pilar de vacinas do Access to COVID-19 Tools (ACT) Accelerator, é coliderado pela CEPI, Gavi, a Vaccine Alliance e a Organização Mundial da Saúde (OMS), que estão trabalhando em parceria com fabricantes de vacinas de países desenvolvidos e em desenvolvimento. É a única iniciativa global que atua com governos e fabricantes para garantir que as vacinas contra a COVID-19 estejam disponíveis em todo o mundo tanto para pessoas de renda alta como para pessoas de baixa renda.

Com o intuito de garantir doses de vacinas suficientes para proteger as populações mais vulneráveis, como profissionais de saúde e pessoas idosas, o próximo passo da parceria é confirmar a intenção dos participantes com potencial autofinanciamento de participar até 31 de agosto, e transformá-la em compromissos vinculantes para se associar ao mecanismo de acesso global às vacinas contra COVID-19 até 18 de setembro, com os primeiros pagamentos adiantados em seguida - ao mais tardar até 9 de outubro de 2020.

“O acesso equitativo a uma vacina contra a COVID-19 é a chave para vencer o vírus e preparar o caminho para a recuperação da pandemia”, disse Stefan Löfven, primeiro-ministro da Suécia. “Esta não pode ser uma corrida com poucos vencedores, e o mecanismo COVAX é uma parte importante da solução, garantindo que todos os países possam se beneficiar do acesso ao maior portfólio mundial de vacinas candidatas e distribuição justa e equitativa das doses”.

O COVAX é um mecanismo de aquisição conjunta coordenado pela Gavi para novas vacinas contra a COVID-19 e garantirá o acesso justo e equitativo às vacinas para cada economia participante, usando uma estrutura de alocação atualmente formulada pela OMS. A iniciativa fará isso reunindo o poder de compra das economias participantes e fornecendo garantias de volume em uma gama de vacinas candidatas promissoras, permitindo que os fabricantes de vacinas, cuja experiência é essencial para a produção em larga escala, façam investimentos precoces e em risco na capacidade de fabricação - proporcionando aos países e economias participantes a melhor chance de acesso rápido às doses de uma vacina bem-sucedida para a COVID-19.

O sucesso do COVAX depende não apenas dos países que se inscrevem, mas também do preenchimento de lacunas de financiamento importantes para o trabalho de pesquisa e desenvolvimento de um mecanismo para apoiar a participação de economias de baixa renda.

“A COVID-19 é um desafio de saúde global sem precedentes e que só pode ser enfrentado com uma cooperação sem precedentes entre governos, pesquisadores, fabricantes e parceiros multilaterais”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Reunindo recursos e agindo em solidariedade por meio do ACT Accelerator e do COVAX podemos garantir que, uma vez que uma vacina contra a COVID-19 esteja disponível, estará disponível de forma equitativa para todos os países.”

A CEPI está liderando o trabalho de pesquisa e desenvolvimento P&D de vacina do COVAX, que tem o objetivo de desenvolver três vacinas seguras e eficazes que poderão ser disponibilizadas aos países participantes. Nove vacinas candidatas estão atualmente sendo apoiadas pela CEPI, sete das quais em ensaios clínicos. Governos, fabricantes de vacinas (além de suas próprias P&D), organizações e indivíduos comprometeram US$ 1,4 bilhão em P&D de vacinas até o momento, mas são necessários urgentemente mais US$ 1 bilhão para continuar a avançar no portfólio.

Outras nove vacinas candidatas que complementam o atual portfólio da CEPI estão no mento sendo avaliadas para inclusão no COVAX. Além disso, o mecanismo considerará a aquisição de vacinas que complementem o portfólio de qualquer produtor do mundo; já há conversas em andamento com vários fabricantes adicionais que não recebem apoio de P&D da CEPI para adquirir suas vacinas, caso tenham sucesso. A maximização do portfólio de vacinas aumenta a probabilidade de sucesso, pois as vacinas individuais têm historicamente uma alta taxa de insucesso.

“Na luta por uma vacina, os países podem agir sozinhos – criando alguns vencedores e muitos perdedores – ou podem se unir para participar do COVAX, uma iniciativa que se baseia no interesse próprio esclarecido, mas também na equidade, não deixando nenhum país para trás”, disse Richard Hatchett, CEO da CEPI. “Somente tendo uma visão global podemos proteger aqueles que estão em maior risco em todo o mundo contra os terríveis efeitos desta doença. O COVAX pode fornecer as vacinas que podem acabar com a pandemia, mas precisa que os países deem um passo à frente tanto para se associar ao mecanismo, quanto para lidar com as graves lacunas de financiamento, inclusive para P&D. As decisões que são tomadas agora sobre as vacinas contra a COVID-19 têm o poder de mudar nosso futuro. Devemos ser corajosos e ambiciosos na busca por uma solução multilateral”.

Uma colaboração entre o Serum Institute of India (SII), a Gavi e a Fundação Bill & Melinda Gates anunciada no início deste mês garantirá que até 100 milhões de doses de vacinas candidatas da AstraZeneca ou Novavax, se bem-sucedidas, sejam disponibilizadas a economias de baixa e média renda por meio da iniciativa COVAX a US$ 3 por dose. A parceria também oferece uma opção para garantir doses a mais se ao COVAX considerar necessário. Outro acordo entre Gavi, CEPI e AstraZeneca, anunciado em junho, garante mais 300 milhões de doses de sua vacina candidata para o mecanismo, caso seja bem-sucedida.

Além disso, a Gavi lançou em junho o COVAX Advance Market Commitment (AMC), um instrumento de financiamento que visa apoiar a participação de 92 economias de baixa e média renda no mecanismo COVAX. O COVAX AMC arrecadou mais de US$ 600 milhões em relação à meta inicial de garantir US$ 2 bilhões de financiamento inicial por parte de doadores soberanos, bem como filantropia e do setor privado, necessários até o final de 2020. O financiamento da iniciativa será fundamental para garantir que a capacidade de pagamento não seja uma barreira para o acesso às vacinas contra a COVID-19, uma situação que deixaria a maior parte do mundo desprotegida, com a pandemia e seu impacto continuando inabaláveis.

Oitenta economias de maior renda, que financiariam as vacinas com seus próprios orçamentos, até agora submeteram manifestações de interesse antes do prazo final de 31 de agosto para confirmação da intenção de participação. Elas farão parceria com 92 países de baixa e média renda que serão apoiados pelo COVAX AMC se este cumprir suas metas de financiamento. Juntos, este grupo de 172 países representa mais de 70% da população mundial. Entre o grupo estão representantes de todos os continentes e de mais da metade das economias mundiais do G20.

“O momento que estamos testemunhando por trás deste esforço global sem precedentes significa que pode haver luz no fim do túnel: uma vacina é nosso melhor caminho para encerrar a fase aguda da pandemia e o esforço do COVAX é a melhor maneira de chegar lá”, afirmou Seth Berkley, CEO da Gavi, a Vaccine Alliance. “Para países de renda mais alta, isso representa uma vantagem: além de garantir o acesso ao maior portfólio de vacinas do mundo, estarão também negociando como parte de um consórcio global, reduzindo os preços e garantindo um acesso verdadeiramente global. A adesão ao mecanismo dá a cada país a melhor chance de proteger as pessoas mais vulneráveis em suas populações – o que, por sua vez, dá ao mundo a melhor chance de mitigar o preço que essa pandemia tem cobrado de indivíduos, comunidades e economia global. Para tornar essa visão de ponta a ponta uma realidade, precisamos que os países assumam compromissos de ponta a ponta: financiamento de P&D, inscrição no mecanismo e apoio ao COVAX AMC.”

A meta do COVAX é, até o final de 2021, fornecer dois bilhões de doses de vacinas seguras e eficazes que passaram pela aprovação regulamentar e/ou pela pré-qualificação da OMS. Essas vacinas serão oferecidas igualmente a todos os países participantes, proporcionalmente às suas populações, priorizando inicialmente os profissionais de saúde e depois expandindo para cobrir grupos vulneráveis, como idosos e aqueles com doenças pré-existentes. Doses adicionais serão disponibilizadas com base na necessidade do país, vulnerabilidade e ameaça da COVID-19. O mecanismo também manterá uma reserva para uso emergencial e humanitário, incluindo o tratamento de surtos graves antes que fiquem fora de controle.

Nota aos editores 

A lista completa de vacinas candidatas apoiadas pela CEPI é a seguinte:

  • Inovio, Estados Unidos da América (Face I/II)

  • Moderna, Estados Unidos da América (Fase III)

  • CureVac, Alemanha (Fase I)

  • Instituto Pasteur/Merck/Themis, França/Estados Unidos da América/Áustria (fase pré-clínica) 

  • AstraZeneca/Universidade de Oxford, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda (Fase III) 

  • Universidade de Hong Kong, China (fase pré-clínica)

  • Novavax, Estados Unidos da América (Fase I/II)

  • Clover Biopharmaceuticals, China (Fase I)

  • Universidade de Queensland/CSL, Austrália (Fase I)

Entre as nove vacinas candidatas que estão sendo avaliadas para inclusão no mecanismo COVAX, estão: duas da China, duas dos Estados Unidos da América, uma da República Popular da Coreia, uma do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e uma global, parceria multi-fabricação. Duas destas estão em testes de fase I, duas em transferências de tecnologia e o restante está em estágio de descobertas.

Os 80 países que enviaram manifestações de interesse ao mecanismo COVAX incluem 43 que concordaram em ser nomeados publicamente: Andorra, Argentina, Armênia, Botsuana, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Croácia, República Tcheca, República Dominicana, Estônia, Finlândia, Grécia, Islândia, Iraque, Irlanda, Israel, Japão, Jordânia, Kuwait, Líbano, Luxemburgo, Ilhas Maurício, México, Mônaco, Montenegro, Nova Zelândia, Macedônia do Norte, Noruega, Palau, Portugal, Qatar, República Popular da Coréia, São Marino, Arábia Saudita, Seychelles, Cingapura, África do Sul, Suíça, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e Venezuela.

Em julho, o Conselho da Gavi concordou com as 92 economias que receberão o apoio do COVAX Advance Market Commitment (AMC). A lista completa é a seguinte:

Baixa renda: Afeganistão, Benin, Burkina Faso, Burundi, República Centro-Africana, Chade, República Democrática do Congo, Eritreia, Etiópia, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau, Haiti, República Popular Democrática da Coreia, Libéria, Madagascar, Malawi, Mali, Moçambique, Nepal, Níger, Ruanda, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, República Árabe Síria, Tajiquistão, Togo, Uganda, República Unida da Tanzânia e Iêmen.

Baixa e média renda: Angola, Argélia, Bangladesh, Butão, Bolívia, Cabo Verde, Camboja, Camarões, Comores, Congo, Côte d'Ivoire, Djibouti, Egito, El Salvador, Essuatíni, Gana, Honduras, Índia, Indonésia, Quênia, Quiribati, Quirguistão, República Democrática Popular do Laos, Lesoto, Mauritânia, Micronésia, Moldávia, Mongólia, Marrocos, Mianmar, Nicarágua, Nigéria, Paquistão, Papua Nova Guiné, Filipinas, São Tomé e Príncipe, Senegal, Ilhas Salomão, Sri Lanka, Sudão, Timor-Leste, Tunísia, Ucrânia, Uzbequistão, Vanuatu, Vietnã, Cisjordânia e Gaza, Zâmbia e Zimbábue

Outros países elegíveis: Dominica, Fiji, Grenada, Guiana, Kosovo, Maldivas, Ilhas Marshall, Samoa, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Tonga e Tuvalu.

Fonte: Folha informativa COVID-19 - Escritório da OPAS e da OMS no Brasil

Rua Prudente de Moraes, 56 - Sta. Paula - S.C.Sul - SP

Tel: 011-4224-4972

  • Facebook
  • Instagram